Histórico


Outros sites
 Companhia de Teatro Os Satyros
 Rodolfo García Vázquez
 Os dias e as horas - Alberto Guzik
 Pueril - Cléo De Páris
 Audrey Furlanetto
 A moita do Sergio Salvia Coelho
 Frankamente - Lucia Carvalho
 Marcelino Freire
 Erika Riedel
 Gerald Thomas
 Roberto Moreno
 Sérgio Roveri
 Sou eu Meu - Karem Silva
 Jarbas Capusso Filho
 Nelson Peres
 Maria Clara Spinelli
 Ruy Filho
 Menina do Retrato
 Noite Solar - Tatiana Passarelli
 Mário Bortolotto
 Régis Trovão
 Chico Ribas
 Laerte Késsimos
 Célia Ribas
 Carolina Angrisani
 Sergio Mello - No Banheiro um Espelho Trincado
 Chacal
 Ana Rüsche
 Andressa Cabral
 Carol Marossi
 Edson Bueno
 Blog da Lys
 Cesar Ribeiro
 Caderno de Receitas
 Taís Moreno
 Cacilda - Blog de Teatro da Lenise Pinheiro e do Nelson de Sá
 Paula, descompassada
 Patricia Leonardelli
 Barbara Oliveira
 Alex Grulli
 .Lucas
 Otávio Martins
 Paula Cohen
 Rui Xavier
 Diniz
 Rafael Ferro
 Blog da Phedra
 Marcelo Mirisola
 Astier Basílio
 Alexandre Staut
 Pancho Cappeletti
 Volátil - Vivian Makia
 Cama de Pregos - Eduardo Metring
 Henrique Silveira
 Rachel Rocha
 Caixa de Pandora - o Blog do Edu de Goiânia
 Rui Germano, de Rio Maior
 Andréa del Fuego
 Nati que eu adoro
 Maria Cecília MC2
 Paulo de Tharso
 Henrique Mello
 Joeli Pimentel
 Isabel Mota
 Carol
 Blog da Isabella


 
 
Terras de Cabral - o blog do Ivam


SÃO PAULO QUE EU AMO

Desculpem ficar falando sobre a mesma coisa. Mas vocês já estiveram apaixonados e sabem muito bem que quando isso acontece a gente não tem olhos nem coração para mais nada. Pois é, é o que está acontecendo comigo. Eu estou completamente maluco pela minha bike. Hoje estive pedalando pela praça da Sé e arredores. Vim de lá agorinha mesmo. Pedalei por quase duas horas. Nossa, as coisas que fui vendo, as pessoas que fui conhecendo. Até cheguei a apartar a briga de duas senhoras que estavam furiosas. Uma acusava a outra de tê-la roubado. Isso na entrada do metrô São Bento. Elas são vizinhas, moram na Mooca e foram até a 25 de março. Então quando iam apanhar o metrô de volta pra casa, uma cismou que a outra tinha lhe roubado uma nota de 50 reais. Elas eram bem idosas, octagenárias eu penso, e acho que não estavam batendo muito bem da bola, não. Mas uma ficou violenta e queria bater na outra. E ia dizendo coisas como "um dia eu enveneno ela. Coloco chumbinho no café e ela vai ver o que é bom pra tosse". No final, consegui fazer com que as duas fizessem as pazes e se abraçassem e dessem um beijo. Então pedalei pra outras bandas, fui até o Largo São Francisco, rua XV de Novembro, Viaduto do Chá, Barão de Itapetininga, praça da República, Largo do Arouche. Estou pleno. Afinal, nesta selva de pedra eu vou descortinando paixões, emoções. E vendo a vida que pulsa com suor. Eita que viver é bom demais! 



Escrito por Ivam Cabral às 21h01
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



VAI FICAR TUDO OK

Vou chamar o Moreno, o super-mega-ultra Roberto Moreno, que entende tudo de blog. Ele já salvou a Cléo. Espero que me salve também.  Enquanto isso vou apagando umas coisas antigas e caçando uns espaços por aqui. Pelo menos assim posso continuar me comunicando.

Neste final de semana eu andei muito de bike. E tive uma grande experiência que foi percorrer o minhocão, da praça Roosevelt até o parque da Água Branca. Indescritível é a palavra. O Minhocão fica super animado, com pessoas de castas e tribos distintíssimas. Encontrei desde uma família assando churrasco até um pessoal fazendo uma sessão de fotos e também uma equipe de filmagem.



Escrito por Ivam Cabral às 11h22
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




[ ver mensagens anteriores ]